Pego carona no texto publicado por Sérgio de Mesquita Serra no seu Globoonliners para comentar uma atitude que não concordo na torcida (e imprensa) brasileira.
Uma atitude, que em minha opinião, é o que criou aquela necessidade de ganhar sempre e o tempo todo. Se não ganha a todo instante, se não é o melhor de todos, então é um nada. Aliás, além de ser campeão ainda tem que “vencer e convencer”.

Em tempo: Parabéns ao Figueirense, que fez poster de Vice-Campeão da Copa do Brasil, e à sua torcida, que comemorou o título inédito.

“Após assistir a mais um triste espetáculo de violência no esporte, sinto impelido a fazer uma análise.

Há alguns dias atrás li em uma manchete que a seleção brasileira havia “humilhado” seu adversário na final da Copa América. Entretanto, não vi o mesmo tratamento quando nosso time de futebol de campo masculino perdeu um jogo no PAN e foi eliminado. Interessante, não é?

Sabe quem realmente humilhou os jogadores adversários? Quem deu a notícia dessa forma.

No esporte não existe isso. Existem campeões, vice-campeões, últimos colocados, eliminados, vencedores, perdedores… Mas não há, nem pode haver “humilhados”.

Também recentemente, li que um famoso ex-jogador de basquete incentivava, das arquibancadas, as vaias contra determinado time. Nem que esse time estivesse jogando contra o nosso, tal atitude não se justificaria. Ainda mais partindo de um ex-atleta! Achei uma atitude deplorável.

Acho que quem não quiser, não precisa aplaudir (se bem que seria delicado por parte do anfitrião), mas vaiar e menosprezar! Quem valoriza seu adversário dá mais brilho à própria vitória!”

(…)

Não digo que tenhamos de ser frios e quietos como ingleses assistindo um jogo de tênis, ou disciplinados como japoneses que vão de terno aos estádios… Vamos torcer, aplaudir, cantar, gritar. Quem quiser pode até “soltar a franga”… Mas vamos deixar de incluir a vaia em nosso rol de jogadas. Vamos evitar usar termos depreciativos quando nos referimos aos nossos adversários; antes e depois dos jogos. Sobretudo vamos dar um freio nesse clima contagiante de “já ganhou”, muitas vezes liderado por comentaristas esportivos, e que acomete torcedores de todos os esportes. Os outros competidores também têm seu valor, e ganhar é apenas conseqüência de um trabalho bem feito.”


Postado por Tags: , Categorias: Editorial, Esporte
248

Comentários do Facebook

Possuímos dois sistemas de comentários, você pode escolher o que mais lhe agrada. :-)


Comentários do Blog

Ninguém comentou ainda, seja o primeiro.

  1. Kosh disse:

    E para cada esporte existe uma conduta, se não sabe como agir, tenha educação e respeito, é o mínimo que se pede a um ser humano.

  2. Antonio Carneiro disse:

    Mas uma coisa é vaiar um time em um campeonato, outra é vaiar um atleta de 15 anos que está realizando seu sonho olimpico ou panamericano…

  3. William Becher disse:

    Quanto à vaiar o adversário… é normal, e não acho que seja anti-desportivo. É assim que a torcida consegue intimidar o adversário, fazer o seu time crescer em campo, e conseguir a vitória.

    Continuem a vaiar, o que não pode acontecer e sair pra porrada, e a torcida gritar “PORRADA, PORRADA” como aconteceu na final do handebol.

    Mas que é bom ganhar dos argentinos, ah isso é… e de 8 gols de diferença, melhor ainda.

Deixe uma resposta