Atendendo aos pedidos desesperados dos meus chefes, editores e donos deste distinto blog, o post final da saga sobre virtualização terá (tcharammm) FIGURAS!!!
Os dois primeiros posts foram para dizer o que é e como funciona, o final, como prometido, terá cenários de utilização baseados nas soluções VMWare Server e Microsoft Virtual Server 2005 R2.

Como dito anteriormente, os cenários de utilização são os mais variados possíveis. Os abordados neste post incluem servidores de produção consolidados utilizando VMWare Server e VMs para uso “acadêmico” utilizando Microsoft Virtual Server. É importante notar que os cenários estão restritos às ferramentas utilizadas por este pequeno Aidemin!!!

Cenário 1 – Consolidação de servidores obsoletos
Sabe aquele servidor jurássico que você tem encostado em algum lugar mas não pode desligar porque tem aplicações legadas que só funcionam nele? Então, VIRTUALIZE!!! Usando a técnica de P2V (Physical to Virtual) em um equipamento que já não tem mais contrato de manutenção e um sistema operacional sem suporte, você virtualiza o equipamento e, com o VMWare, por exemplo, cria imagens (ou snapshots) do equipamento recém virtualizado. Outra vantagem é que no processo de virtualização, você configura a VM para que tenha mais memória e processamento do que a máquina física antiga possuía. Excelente, não?

Abaixo, um servidor obsoleto consolidado sendo gerenciado pelo VMWare Server Console da VMWare:

image

Nesse caso em espefíco, temos um servidor de autenticação baseado em Windows NT Server 4.0 que estava anteriormente instalado em um Pentium 200.

Cenário 2 – Ambientes de Teste e Homologação
Algumas empresas organizadas, principalmente as que possuem implantadas práticas como ITIL, Cobit, etc, possuem ambientes organizados em Teste, Homologação (Staging) e Produção. Em algumas delas, a dificuldade de ter um ambiente de Teste e um de Homologação fiel ao de Produção é enorme. Com o P2V (disponível para soluções VMWare e Microsoft), como você está clonando uma máquina física, não há muito o que sofrer.
Outro benefício que eu acho fantástico enquanto Aidemin que sou é ter nas minhas VMs um ambiente para teste e homologação de patches do Windows! Já vi casos acontecerem de um patch ser aprovado e o servidor ou a máquina do usuário simplesmente parar e ter que ser re-configurada.

Abaixo, uma VM que tenho para que possa estudar para o meu tão sonhado MCSE em uma console do Microsoft Windows Virtual Server 2005 R2:

image

E os cenários possíveis não param por ae!!!
No fim, existem mil maneiras de usar virtualização, desde máquinas para jogar joguinhos antigos até ambientes corporativos inteiros utilizando storage e soluções mais avançadas!!! INVENTE UMA!!! :-)

Espero que tenham curtido a Saga, que agregue algo ao conhecimento de vocês, aidemins ou não!

Grande abraço e até a próxima!

Aidemin

Postado por Tags: , , , , Categorias: Arte & Cultura, Ciência & Tecnologia
712

Comentários do Facebook

Possuímos dois sistemas de comentários, você pode escolher o que mais lhe agrada. :-)


Comentários do Blog

1 Comentário

  1. Darcy Viana disse:

    Estou criando meu tcc em ambiente de virtualização de Servidores e essas informações que obtive aqui me deram o start inicial para escrever.
    Parabéns pela iniciativa e por compartilhar o conhecimento adquirido.

Deixe uma resposta