Quem imaginava que o Google queria dominar o mundo pode tirar o cavalinho da chuva, eles não querem algo tão pequeno e insignificante.

O Google juntamente com o MIT, está financiando o desenvolvimento de um satélite-observatório que tem como objetivo achar planetas semelhantes à Terra orbitando outras estrelas.

Exoplaneta Pouco mais de 200 planetas já foram detectados em outros sistemas planetários da Via-láctea, quase todos eles são gigantes gasosos comparáveis a Saturno, Júpiter ou até maiores. Isto se deve ao método utilizado na detecção que usa a atração gravitacional destes planetas sobre suas estrelas, deste modo apenas planetas gigantes podem ser percebidos.

O projeto chamado Satélite de Pesquisa de Trânsito de Exoplaneta (TESS – Transiting Exoplanet Survey Satellite) irá procurar por planetas que passem diretamente na linha de visão entre a Terra e seu sol, de modo a diminuir levemente o brilho da estrela. Cerca de 20 planetas já foram detectados desta forma.

E o Google?

O satélite será composto de 6 câmeras de alta resolução totalizando 192 megapixel. Elas irão monitorar todo o céu o tempo todo, tirando fotos constantemente. O Google está financiando o desenvolvimento destas câmeras e também pretende participar da criação do programa de gerenciamento do gigantesco banco de dados que será gerado e do sistema de busca de pequenas variações nas estrelas que podem levar à descoberta de novos planetas. Banco de dados busca de informação são duas áreas na qual eles têm experiência.

O que pretendem achar

As órbitas dos planetas são orientadas aleatoriamente em relação ao campo de visão que temos à partir da Terra, estatisticamente uma em cada mil estrelas tem os planetas orbitando de forma a que eles passem entre elas e nós, permitindo sua observação. Como o projeto pretende monitorar 2 milhões de estrelas, estima-se que mais de 1000 sistemas planetários em dois anos de observação. Algumas pesquisas indicam que este número pode ser 10 vezes maior.

Quando um planeta for encontrado nestas condições será possível determinar, seu tamanho, massa, tempo de translação, temperatura e com análise espetrográfica da luz que atravessa a atmosfera (se houver uma), pode-se saber a composição desta. Se houver oxigênio, nitrogênio e água por exemplo em temperatura compatível, podem arrumar as malas e rumar para o planeta Google ou algum outro nome que eles derem, depende de quem pagar mais pelos anúncios do AdSense.

O lançamento está previsto ara 2012.

Fonte: The Daily Galaxy

Postado por Tags: , , , , , , , Categorias: Ciência & Tecnologia, Curiosidades
753

Comentários do Facebook

Possuímos dois sistemas de comentários, você pode escolher o que mais lhe agrada. :-)


Comentários do Blog

4 Comentários

  1. luiz paulo disse:

    as possibilidades de que haja planetas como o nosso,segundo o grande carl seagan,são imensas;porém,estou um pouco preocupado,pois,pelo menos nos filmes americanos,os aliens só aparecem para os caipiras,sendo assim,talvez os alienigenas sejam os caipiras de seus respectivos planetas e,o pior:talvez gostem de luan santana,leonardo e etc… éspero estar enganado,seria castigo demais.

  2. Paulo disse:

    Achei bacana a iniciativa do google de patrocinar tecnologia na busca por outros mundos, pelo que tenho acompanhado até hoje só encontraram mundos estranhos que se tiverem vida devem ser mais estranhas ainda, e sobre aquele planeta que anunciaram o gliese 581g não acredito que tenha o detectado por ser de tamanho sililar ao da terra, e pelo que sei os equipamentos de hoje tem dificuldade de detectar tais planetas, mas acredito que haja vida como a nossa, embora seje preciso muitos ingredientes para surgir em um planeta.

    • Por incrível que pareça, pelo visto, a vida não deve ser algo tão complicado assim. Ela pode existir em condições muito diferentes do que conhecemos e os elementos para que ela exista são abundantes no universo, assim como as condições de energia necessárias para o surgimento.

      O sistema Gliese é bem interessante, já tem 6 planetas e talves exista mais um ainda. Por enquanto o máximo que se conseguiu foi detectar um corpo celeste com cerca de 3x a massa da Terra e que esteja relativamente próximo, mas alguns de 5x a Terra já foram achados um pouco mais longe e todo leva a crer que existem muto mais planetas deste tamanho e menores.

      Quando o Telescópio James Webb for lançado entre 2015 e 2016, talvez seja possível até visualizar estes planetas menores, ela vai fazer o Hubble parecer o Mr. Magoo.

Deixe uma resposta