Depois do macarrão lámen (o famoso nissin-miojo), a tempurá é um dos pratos japoneses mais práticos e mais apreciados pelo mundo. Contudo, apesar das acusações recentes de que eu não tiro o diploma de História de baixo do braço, vale a pena nos determos na sua “origem”!

Durante o século 16, os missionários portugueses, mais especificamente os jesuítas (isso mesmo, eles estavam em todos os lugares!), “inventaram” essa espécie de bolinho feito com camarão, mariscos e vegetais envoltos numa massa bem leve e fritos. A intenção era encontrar algo que substituí-se a carne vermelha no período da quaresma.

Jesuítas portugueses não são japoneses, eu sei! Mas, o que eu posso fazer se a fama da tempurá ficou com os japoneses! Aff…é a vida!

Segundo a Wikipédia, existe em Portugal, até hoje, um prato que lembra bastante a tempurá chamado de peixinhos da horta e consiste em pedaços de feijão-verde fritos envoltos num polme geralmente mais espesso.

Na Liberdade, bairro famoso em Sampa, nas feiras-livres de Ribeirão Preto ou nos festivais japoneses espalhados pelo Brasil sempre tem uma barraca vendendo tempurá. Em Tokyo, pelo o que eu sei, existe restaurantes especializados nessa iguaria! Se você mora fora do melhor melhor estado brasileiro, São Paulo, e não tem um Mirai (rede de restaurantes japoneses) perto da sua casa, não se preocupe, o NewsErrado dá a receita.

Antes de passar a receita, algumas dicas preciosas sobre a tempurá:

– Lembre-se, apesar de introduzido pelos portugueses, a receita é japonesa! Então, os legumes devem ser cortados todos no mesmo tamanho, de preferência à julianne, em tiras, não muito finas, nem muito grossas. Nada de passar no ralador!!!

– a água da massa tem que estar gelada de verdade. Isso faz com que a tempurá fique bem crocante.

– o óleo para a fritura tem que estar quente. Mas, cuidado para não esquentar muito, pois os bolinhos podem ficar queimados.

– prepare os legumes primeiro e por último a massa. Não se preocupe se ela empelotar um pouco (só um pouco, não muito!)

– como a massa é neutra dá para fazer com legumes, frutas, peixes, camarõe e até com sorvete!

Vamos à receita!

(:P)

Tempurá NewsErrado

Ingredientes: cenoura (à julianne), espinafre (em tirinhas), brócolis, couve-flor, aspargos, vagem, berinjela (em rodelas), abobrinha (em rodelas), ervilha-torta, broto-de-feijão, (ou qualquer outro legume que você achar interessante). Dá para fazer com camarões, pedaços de peixes ou de frango. Ainda, com pedaços de frutas, mas descarte as que soltam muito liquído, como abacaxi, por exemplo.

Massa: 1 ovo, 1 litro de água bem gelada e 4 xícaras de farinha de trigo. Bata o ovo, misture com a água e depois a farinha. Mexa até obter uma massa bem leve, não se preocupe se ficar um pouco empelotada. Não coloque sal, nem outro tempero.

Mergulhe os legumes, bem secos, na massa e depois frite-os em óleo quente até dourar a massa, fica à seu critério. Depois de fritos, deixe-os escorrer ou coloque-os em bastante papel-toalha.

Detalhe: eu prefiro não misturar os legumes. Sempre faço as tempurás só de vagem ou só de cenoura, por exemplo. Mas, fica por conta da sua imaginação e ousadia!

Molho (para a tempurá de legumes, peixe, camarão ou frango):

  • 1 xícara (chá) de caldo de peixe
  • 1/4 xícara (chá) de shoyu
  • 1/2 xícara (café) de saquê mirim
  • 1/2 xícara (chá) de nabo ralado(s)

É só misturar os ingredientes líquidos e aquecê-los numa panela. Antes de servir coloque o nabo. (Eu prefiro sem o nabo, para falar a verdade!)

Molho (para a tempurá de frutas ou sorvete): qualquer calda para sorvete! Ou então, salpique açúcar refinado com canela.

Postado por Tags: , Categorias: Variedades
928

Comentários do Facebook

Possuímos dois sistemas de comentários, você pode escolher o que mais lhe agrada. :-)


Comentários do Blog

11 Comentários

  1. cris disse:

    Realmente Antonio e’ uma pena que uma feira que seria tão importante para uma cidade turistica como Praia Grande fique com uma distorção de finalidade.Sou artesã, mas não participo da Feira,tenho outra atividade ainda e não tenho local, mas tenho pena de quem precisa e NECESSITA deste espaço por uma questão de sobrevivencia ate’, não consiga trabalhar. E’ so’ uma opinião, mas venha conhecer nosso tempura na cidade de Praia Grande, estaremos esperando por voce e todos que quiserem vir. Apesar dos problemas, SEJAM MUITO, MAS MUITO BEM VINDOS. BEIJOS

  2. cris disse:

    Gente, por favor- Santos e’ Santos – Praia Grande e’ Praia Grande.
    Santos e’ uma cidade e Praia Grande e’ outra. E o tempura de Praia Grande realmente uma coisa deliciosa. A feirnha não e’ hippie,e’ Feira de Artesanato que esta’ tâo avacalhada que virou sucursal da 25 de março,nem a embalagem eles mudam E a finalidade era pra ser de produtos ARTESANAIS.Mas a tempura e’ muito bom de verdade.Venham experimentar.Não vão se arrepender.

  3. Ricardo Matos disse:

    Será que eu vou ter q ir pra santos só por causa desta receita? rs

  4. Ricardo Matos disse:

    Será q só eu fiquei curioso pra saber a receita do tempura da barraquinha da feira de santos, praia grande?? se alguém souber me avise – rmmatos@ig.com.br Muito orbrigado

  5. Ricardo Matos disse:

    Será que Alguém sabe a receita daquele TEMPURÁ da barraquinha da feira da praia grande de Santos???
    muito bom aquilo heimmm!!!

    Se akguém souber e puder me passar eu agradeço

  6. Eu tb adoro tempurá (ou tempúra, como alguns pronunciam!).
    Essa receita é uma preciosidade.

    Agora, uma observação: era só incluir um paulista na mistura errada de editores pra começar o bairrismo: “melhor estado do Brasil”? Aguarde, moça!!

    Ah, e não sabia que essa iguaria japonesa era portuguesa, legal! Mais um ponto pra nossa “pátria-mãe”.

  7. César disse:

    Carol, eu adoro tempurá. Na Praia Grande tem uma barraquinha na feirinha hippie que de hippie não tem nada, tá mais pra lojinha do turquinho, só pra usar um estereótipo) que faz um tempurá delicioso.
    Vou imprimir sua receita e um dia antes da faxineira vir auqi em casa vou tentar fazer.
    Abração pra vc e pra todo mundo do news.
    Andei sumido, mas voltei.

Deixe uma resposta