brasilien_rio_de_janeiro_guarda_municipal

Cor de uniforme de guardas municipais do Rio de Janeiro vai mudar

Não é só o laranja que vai desaparecer das cores oficiais da prefeitura, que voltarão a exibir o azul que já foi o tom padrão das repartições municipais antes da Era Cesar Maia. O uniforme cáqui da Guarda Municipal também será alterado.  As novas fardas também serão azuis.
A prefeitura ainda não tem um prazo nem estimativa de custos para essa alterações.
A mudança de cores servirá também como uma indicação de mudança de atitude na postura dos agentes. A idéia é que eles tenham uma atitude pró-ativa: não apenas observar os problemas, mas repreender e educar as pessoas no caso de infrações às posturas municipais.

Fonte: Jornal Extra

Comentário do NewsErrado:

Já faz tempo que o prefeito César Maia trocou o azul pelo laranja como cor básica da prefeitura, com o intuito de marcar bem o que é municipal e o que é estadual , que sempre teve a cor azul. O laranja (uma cor que esse blog adora!) não foi inventado por ele, já era usado nos uniformes da Comlurb e nas novas lixeiras de rua. Gosto muito do azul, essa cor tem a cara do Rio, e ela continua a ser usada como marca do governo estadual, mas não vejo nada de errado em ressaltar de quem é a responsabilidade, culpa ou mérito por algo: se municipal ou estadual.
Da mesma forma, por exemplo, nas escolas e câmeras de trânsito a palavra “Prefeitura” ganhou destaque.

rio-guarda-transitoJá o uniforme da Guarda foi alterado por outro motivo: o uniforme dela era muito semelhante ao da PM, tornando-os alvos dos bandidos, e pior, alvos desarmados, já que não portam armas de fogo. Colocando-os de marrom ou bege, fica fácil distingui-los da PM, que usa azul ou do BOPE, que usa preto. Como uma das suas funções básicas é controlar o trânsito, essa cor até remete à da Polícia Rodoviária.

O prefeito eleito Eduardo Paes vai mudar tudo de novo, não por ter uma nova lógica ou ponto de vista que ninguém havia reparado antes, mas apenas para ser diferente da administração anterior, “dar a cara dele”. Mas é uma mudança pra pior, pois os guardas voltarão a ser alvejados. E duvido que uma cor diferente na roupa os tornará profissionais melhores. Treinamento e corregedoria costumam dar mais resultados.

Essa prática de colocar uma “maquiagem nova” é muito usada pela maioria dos políticos eleitos para cargos executivos. Considero ridícula, desnecessária, egocêntrica e dispendiosa. César Maia ao menos ficou 12 anos no poder, o que poucos conseguem. Mas imagina se a cada 4 anos, com uma prefeito ou governador novo, eles resolverem pintar viaturas com novas cores, mudar os uniformes e placas? Vai sair muito caro, um dinheiro que fará falta em outro investimento, com certeza.

E a conta?

rio-guarda-municipalQuem paga essa conta somos nós, contribuintes. Deveríamos ter direito a opinar. Uma empresa S.A. pode reunir os sócios e destituir a diretoria. Um condomínio pode fazer uma assembléia extraordinária e enquadrar o síndico. Uma grande empresa pode perceber um erro e fazer um recall de peças defeituosas. Deveriam facilitar o recall de políticos defeituosos!!

Postado por Tags: , , Categorias: Economia & Política, Editorial
4038

Comentários do Facebook

Possuímos dois sistemas de comentários, você pode escolher o que mais lhe agrada. :-)


Comentários do Blog

7 Comentários

  1. Sub. Alves disse:

    Bem, o uniforma azul para as Guardas Municipais, ideologicamente falando, é como o verde para o Exercito, e o branco para a Marinha.
    Entendo também que os Municípios tem autonomia, prevista em Constituição. Isto dificulta um pouco a questão da padronização das cor Azul para todas as Guardas. Mas se houver vontade política, acontece.
    Com relação a uma suposta confusão de competencias, digo:
    Nos Guardas atuamos na prevenção primária do delito, estamos diuturnamente na cidade, nosso foco é o cidadão, atuamos com energia sem perder a urbanidade e atuamos embasados na tese da não letalidade nas ações de segurança pública. Sem contar que nossa materia prima de atuação são as Posturas Municipais.
    Espero ter podido contribuir.
    Um grande abraço.

    • Caro Sub. Alves,
      Desconheço essa padronização “cromo-ideológica” das Guardas Municipais, e honestamente, sou contra. Cada estado adota uma cor e estilo diferente para os uniformes de suas PMs, então parece-me lógico que os municípios façam o mesmo.
      Duas coisas deveriam nortear essa escolha, além da simples estética e da praticidade: a diferenciação clara em relação à PM e as cores da cidade, definidas por seu brasão, bandeira ou mesmo pela tradição.
      Nâo sou contra no entanto que se adota algum elemento que seja comum à todas GMs do Brasil: algum detalhe como uma sigla, faixa ou brasão.

      Quanto às atribuições, acredito que as GMs devam estar prontas para combater um criminoso, no entanto apóio que sua principal missão tenha outro foco. Até porque, no final das contas, essas missões irão acabar se encontrando.
      No caso do Rio, poderiam atuar com um pouco mais de energia para fazer cumprir as posturas municipais: é só passear pela Orla que você vê bicicletas e skates quase atropelando crianças pequenas.

      • Sub. alves disse:

        Sr Antonio Carneiro:
        Quando eu escrevi ideologicamente falando, justamente quiz dizer que isto está no campo da vontade e do anseio. Com relação ao seu desconhecimento a esse anseio, poderá ser modificado , se procurares na Internet sobre a marcha Azul que aconteceu no dia 27/05/10.
        Com relação as competências das Guardas Municipais, tenho certeza que fui bem claro.
        O foco das Guardas sempre será:
        – o cidadão;
        – prevenção primaria do delito;
        – as posturas municipais, que não se baseiam só em pessoas mal educadas transitando de eskate e bicicletas.
        A guarda Municipal do Rio conta muito com o apoio do cidadão,para atuar, por isso coloco a sua disposição o tel – 153 para que possa passar as demandas de ordem nesta cidade.
        Com relação a sua contrariedade aos rumos ideológicos das Guardas Municipais, todos nos temos que respeitar pois é um direito do Sr.
        Aproveito, como Organizador, para lhe convidar a participar do XX Congresso Nacional de Guardas Municipais, que acontecerá nos dias 18, 19 e 20 de agosto no Rio Centro. Acho ser uma boa oportunidade de conhecer melhor os rumos e feitos destas Instituições.
        Um grande abraço!

  2. Bom dia meu caro NE!

    Acontece que a tendência em se trocar as cores dos uniformes das GMs pelo Brasil afora deve-se em primeiro lugar á padronização das GMs que é uma das metas do próprio Ministério da Justiça, e já está em lei. Por outro lado o saudosismo, muito justificado, da população em geral, pois o azul-marinho nos remete a um passado de ordem e disciplina que hoje já não existe mais em nosso país, que era regido pelas guardas civis, extintas pela ditatura militar e que ostentavam em seus uniformes o azul-marinho. Trocar o cáqui pelo azul-marinho é mais do que uma simples tendência, muito em breve será exigência. Além do mais, o cáqui suja muito mais no dia-a-dia de uma cidade cinzenta e poluída como o Rio, já não somos mais uma cidade limpa e verdejante, infelizmente.

    Que venham os homens e mulheres em azul-marinho!

    Um forte abraço!

    Márcio.

    • Obrigado por sua participação e pelos argumentos apresentados. Mas eu ainda acho importante marcar a diferença entre a Guarda e a Polícia. Não só nos uniformes, mas na própria atribuição delas, que a população ainda confunde.

      Engraçado que a GM ainda não mudou o uniforme, mas a Policia Militar do RJ já mudou o seu…

      • Bom dia NE!
        Sim, de fato a PM mudou a cor de seus uniformes, e ja’ bem tarde… A GM depende talvez de aporte financeiro para faze-lo, ja’ que possui o maior efetivo de uma GM no Brasil, mais de 5000 integrantes e uma grande variedade de atribuicoes. Creio que ela venha a faze-lo aos poucos, conforme os GMs venham a substituir seus uniformes por desgaste ou por trocas periodicas, a que todo funcionario, seja ele civil ou militar e que trabalhe uniformizado, tem direito. Quanto as atribuicoes das PMs e GMs, pode ter certeza de que elas estao mudando, e em cidades como Sao Paulo, Curitiba, Florianopolis e Vitoria, por exemplo, as GMs ja’ desempenham papel auxiliar as PMs na seguranca publica, e armadas. No Rio, a nossa PM ainda nao acordou para esse detalhe. A mesma lei federal que esta’ tramitando para padronizar as Gms, como eu citei no comentario anterior, tambem preve a posse de arma para os GMs, seja em servico ou de folga, alem de discriminar com mais detalhes as funcoes auxiliares na seguranca publica. Que a GM e’ alvo tanto quanto a PM isso e’ publico e notorio. Afinal de contas vivemos em uma cidade dominada pelo crime organizado e isso e’ uma consequencia do proprio combate que as policias dao aos criminosos, nao temos por onde fugir. Nao sou tao alienado a ponto de achar que so’ com policias nas ruas e’ que vamos reduzir a criminalidade. O que mais falta a populacao hoje nas grandes cidades sao “aulas de cidadania” com um forte ingrediente de “familia”. Sem berco, as pessoas continuarao agindo como se o espaco publico pertencesse a ninguem, quando na verdade pertence a todos. O simples mau-exemplo de pais que jogam papel na rua ou levam seus cachorros para passear, e fazer suas necessidades tambem, em pleno espaco publico sao os exemplos mais basicos. O choque de ordem faz-se necessario sim, e com uma guarda armada, estatutaria e estruturada em carreira, seja ela de caqui ou de azul marinho, faz-se necessario, senao a populacao nao vera’ a GM como parte do poder publico que esteja ali para servi-la e sim como mais um instrumento da truculencia de certos prefeitos. Mas tambem me recuso a entender como e’ que um efetivo de mais de 5000 elementos esteja apenas velando por pracas, parques, jardins publicos e pelo transito. Concorda comigo que alem de PM e policia civil, uma terceira policia nao parece demais? Nas cidades de grande porte dos EUA a policia e’ municipal e tambem investiga alem de fazer o policiamento ostensivo. Sao policias de “circuito fechado”, se e’ que me entendem. La’ os pequenos municipios fazem uso das policias civis dos estados, pois nao se justifica manter uma estrutura de investigacao para cidades que uns poucos mil habitantes, onde muitas vezes o chefe de policia comanda apenas meia-duzia de policiais. Por que nao fazer o mesmo aqui? E por que nao comecar agora a mudar a cara e a postura da GM do Rio? Saudacoes cariocas e ate’ uma proxima mensagem!

        • Ótima contribuição, Márcio.
          Um ano e meio se passaram desde a notícia e a GM do Rio não mudou o uniforme(felizmente). Isso não quer dizer que a mudança ainda não ocorrerá, no entanto.
          Quanto a atuação da Guarda em si, não sei se ela realmente precisa usar armamento letal. O que sei é que algo precisa ser feito para que ela seja mais respeitada. Atualmente, o carioca não a leva muito a sério, não a vê como uma autoridade de fato. Isso precisa mudar imediatamente e acho muito mais relevante do que trocar a cor da roupa.

Deixe uma resposta