Veja as fotos, e se ainda conseguir, leia o texto do final.

A sul de Moçambique, bem no coração de Maputo e a escassos metros do aeroporto da Capital, encontra-se a lixeira de Huléne, mãe de muitas histórias, casa de muitos renegados e sustento de muitos mais. É difícil lograr qualquer tipo de juízo quando a incredibilidade amotina qualquer estado de alma ou percepção intelectual. Os limites da lixeira ultrapassam a sensibilidade comum – e até a perspicuidade do olhar – e nem os muros que a aprisionam, conseguem dissimular um cenário nada menos que dantesco – cortados a sul por uma entrada improvisada, um buraco no maciço muro de cimento, concreto e bruto.

Pristina.org

1d25fcfea4f54d266b4edc1e1766a190 2afc62a042156fea6a97a6d3a24ce4e4 4bf26e6886ee966f7e19e41561b50278 5ebb40d30396c73798a71ce4c4095aae 7d465ce5ce4208ad2fa3f5cdff007435 7fa7fd888dc7a6e7a6f4b8aa7207d29b 8b03af547f713360880f4f8461da7c9e 13a5180f3d31e254154eef2415ff8add 23dc8f5c1b758a22affd6e5c41547427 41f80a2f071fd2def9c75cbdfc5724d8 93bfd86f2b472a28f81afd4cc9da1360 169ec2270cc8c99f9568a96569fb8e38 280b2a96cfb9c13f35143613fb0188fd 441f852c9b9182ce4197ff1d1d8d0b98 819752bc563c4014e15ba9de914e88db 3693343ca2897e36368a790bf6fb1461 82081300453905bf3fb2e842a50b8ee9 a6b261fab032c43adc70686907201b1e a399c46056eaeae054e268c8d0bbf76a c91d9a343cac40c1e7019f19a434b6e7 feb518dc7abf5a0aea9acf526ea00c73

Projeto Documentário de: José Ferreira

A inércia grotesca consciente/inconsciente do humano enquanto humano remete para cenários torpes de qualquer 3º mundo a distâncias nada menos que astronómicas. Distâncias essas, que em pleno século XXI se tornam cenários como os que testemunhei na lixeira de Huléne, animações demasiado pictóricas de um panorama demasiado desactualizado. Cenários onde a vida se exila de sentidos, onde questiono a cor da minha fé e me alheio do real… um real tão marcante, quanto presente.
A sul de Moçambique, bem no coração de Maputo e a escassos metros do aeroporto da Capital, encontra-se a lixeira de Huléne, mãe de muitas histórias, casa de muitos renegados e sustento de muitos mais. É difícil lograr qualquer tipo de juízo quando a incredibilidade amotina qualquer estado de alma ou percepção intelectual. Os limites da lixeira ultrapassam a sensibilidade comum – e até a perspicuidade do olhar – e nem os muros que a aprisionam, conseguem dissimular um cenário nada menos que dantesco – cortados a sul por uma entrada improvisada, um buraco no maciço muro de cimento, concreto e bruto.
Ali confluem todo um tipo de necessidades e propósitos. Movimentações constantes de pessoas e camiões compõem um complexo jogo de cores e sensações que nos despertam para a proximidade do precário e do insensível. São muitas as personagens, mas muito poucas as diferenças.
Os “catadores de lixo” são os que mais agitam os horizontes. São peões de um dos poucos negócios, e talvez o mais rentável, que ainda consegue florir entre a mais profunda e desesperante imundice – a reciclagem. Furam freneticamente os corredores de lixo em busca da utilidade. Porque a utilidade ali, e para eles, pode mais tarde valer um pouco mais que pão e leite.
Depois, os outros. Os outros que se assemelham por excesso a muitas caricaturas do pobre e do mendigo que muitas vezes se camuflam entre piadas de genéricos ou bandas desenhadas generalistas do mundo civilizado. Os outros dos olhos sem vida. Os outros do sorriso sem cor e do rosto vazio de expressão. Os outros que tornam esta experiência muito mais humana.
As fotografias fluem numa cadência desproporcionada. A consciência do que vejo inquieta drasticamente a minha percepção das coisas. Nunca o nada fez tanto sentido, e o valor material, tão pouco. Ali o belo torna-se noutro belo, o digno noutro digno. A importância nunca teve na cor da camisa ou sequer no tamanho do sapato. E no meio de tão pouco, rodeado de tamanha e angustiante putrefacção, constatações simples como a que entre o interesse e a curiosidade me dou conta, nunca antes foram tão perturbantes – “todos os dias comemos carne”. A inquietação há muito que me havia tomado por completo, mas a surpresa, essa, é inoportuna, desperta-me a todo o momento. Ali, quando o fruto se torna o resto, o resto torna-se o fruto.
Não é fácil conhecer a lixeira. Não é fácil crer no que é apenas a realidade. Conhecê-la, não é mais que acordar para as diferentes realidades do homem e do mundo. E o maior erro é pensar que ali não há espaço para a vergonha. Uma vergonha muito mais legítima que qualquer outra. Uma vergonha muito mais tocante e bruta de sentido. Porque para muitos estar ali não é nem foi uma opção. Porque muitos deles, já viram para lá dos muros.
São estas circunstâncias, num país em senda de progresso e desenvolvimento através do investimento externo, que tornam a lixeira de Huléne um fenómeno cada vez mais desactualizado até para o contexto de crise e delicadeza económica no qual se insere Moçambique.
Esta, não é a cor da minha fé, é a inconsciência da verdade que teimosamente desfigura a sociedade civil e a condição do homem enquanto ser humano.

Vi no Pristina, mas o Original tá aqui:http://www.behance.net/gallery/Trash-Land/1820899

Postado por Tags: , , , Categorias: Arte & Cultura, Imagem
16382

Comentários do Facebook

Possuímos dois sistemas de comentários, você pode escolher o que mais lhe agrada. :-)


Comentários do Blog

Deixe uma resposta