Definindo Guerra Mundial Z em uma palavra: TENSÃO!

filme guerra mundial z

Acho que nunca fiquei tão tenso em filme de zumbi, e olha que REC não foi brincadeira! A primeira parte, quando o protagonista vivido por Brad Pitt está com sua esposa e filhas pequenas, acho que fiquei mais nervoso por identificação familiar. Mas o filme do início ao fim joga o público em situações de tensão forte, com poucos momentos para respirar. Alívio cômico? Não lembro de nada nesse sentido.

Achei interessante que nesse filme eles usam a palavra zumbi. Ao contrário da maioria das produções desse tipo, não é um mundo sem mitologia zumbi, em que ninguém ouviu falar em mortos-vivos. Mas esse conhecimento, do tipo “atire na cabeça” é praticamente inútil diante das criaturas apresentadas, que eu definiria como Super Zumbis. Eles representam uma mega-ameaça em que enfrentá-los é suicídio e tentar escapar tarefa quase impossível. Ah, você já viu zumbis que correm antes? Eles não são nada perto da força e agilidade destes aqui. Se em The Walking Dead ou A Noite de Mortos Vivos qualquer um determinado poderia enfrentar (ou fugir) de um grupo de 20 zumbis, aqui 3 são o suficiente para você pular, imagina um tsunami deles.

Algumas pessoas irão dizer que esses monstros não são zumbis. Por quê? Porque não são do estilo Romero? Ora, até o Mestre já alterou suas criaturas, não existe um livro de biologia oficial com regras dos monstros. Quem quiser criar um vampiro, zumbi ou lobisomem misturando regras consagradas com novas é bem vindo a fazê-lo, desde que o produto final tenha sentido e fique bom.

Esses seres estão mortos (não são vivos infectados), animados por um vírus parasita que tem como única intenção infectar mais pessoas, espalhando-se e sobrevivendo. Assim, não vi nenhuma cena de canibalismo típica dos zumbis atuais. Mas isso não torna o filme menos aterrorizante. Produções atuais também costumam focar mais nos sobreviventes e suas dificuldades de viver em mundo apocalíptico, como escassez e violência humana. Não há tempo para isto aqui. O perigo enfrentado é realmente dos zumbis, que muito rapidamente infectam o mundo todo, com alguns bolsões de sobrevivência em massa (Coréia do Norte sempre escapa: ironicamente ser uma ditadura de ferro ajuda a resistir ao apocalipse) e inúmeros focos de sobrevivência isolados.

Sabemos que o final inicialmente planejado foi refeito. Não é difícil imaginar como era o original e se fosse como eu acredito, ainda bem que mudaram! Achei o atual ótimo. Ainda existe espaço pra continuação caso a bilheteria seja boa, mas depois de toda a tensão que sofremos, era preciso um alívio, uma luz.

É um filme sem muito “gore” (sangue e tripas), mas que recomendo para fãs de zumbis, histórias apocalípticas e filmes que o façam prender a respiração e agarrar os braços da poltrona.

Postado por Tags: , , , , , Categorias: TV & Cinema
28533

Comentários do Facebook

Possuímos dois sistemas de comentários, você pode escolher o que mais lhe agrada. :-)


Comentários do Blog

2 Comentários

  1. Mario Jorge disse:

    O pessoal fica mudando a mitologia e nem sempre isso dá muito certo.
    Romero foi mexer e deixou tudo pior.
    Os vampiros brilham hoje em dia! Como diamantes. E não matam. A falta que faz Bela Lugosi.
    Mudanças boas são poucas. Talvez “28 dias depois”,”zombieland” e “Shaun of the deads”…
    E parece difícil acreditar que esse “Guerra Mundial Z” pode superar Rec. Porém, você me animou um pouco para ver essa obra.
    Eu havia achado esse projeto, guerra mundial z, bem bizarro (no mau sentido) primeiro por causa da tsunami zumbi, isso vai gerar polêmica entre os fãs, e depois por causa do trailer com uns zumbis 3-d ruins…
    De qualquer jeito nada supera o trailer do jogo Dead Island

    • Sim, nem toda mudança dá certo e nem toda mudança interessante deve ser incluída na mitologia geral. Mas experiências devem ser feitas.
      Se ninguém mudasse nada, zumbis ainda seriam escravos controlados por magia negra que matam estrangulando e fazem trabalhos forçados na lavoura.

Deixe uma resposta