Vince Low: Rabisco também é arte

Vince Low tem uma técnica única para fazer retratos de pessoas usando rabiscos. Veja como ele retratou esses famosos aí:

2b39f7280a84a765732fa4d6cce38656

1ce88640c30e0ffee0bc97318279e3ca

2bce59f6f46aa6ec5af1dfe661cc6f88

5f0caaed6585b09d4b33ae13b3561e48

Dyslexia _picasso

033e44ebdcc5ebdcaa0b4119809bee5c

41a37984d6429027d3ba7a1cd8d4b921

Dyslexia _picasso

757cb6e4d1f4770e1c28caa60bec6e64

692453dc651fc9d9b7a544f349b3e5e2

Dyslexia _einstein

bc0de2e8407a5274f619d256777e3ba6

f2e4e616b83fff7f03be6322130fcb2d

Via: behance.net e behance.net

Manta para o Carro

Nesse inverno não deixe seu carro passar frio, aqueça-o com estilo!

Sabe aqueles plásticos horrorosos que algumas pessoas usam para cobrir o carro? Agora seu carro pode ficar protegido e com muito mais estilo. E melhor: dá até pra dirigir sem tirar a cobertura.

fusquinha remendado

beatle quilt

Esse trabalho, que alguns chamam de patchwork e outros de quilt (mas eu chamo mesmo de colcha de retalhos) foi feito por uma dupla de libanesas que normalmente aplicam esse trabalho a sofás e poltronas. O trabalho delas normalmente é bonito na opinião dos  fãs do estilo, mas qualquer um tem que concordar que esse fusquinha virou super legal.

Você pode tentar em casa com o seu carro, é só lembrar das velhas aulinhas de arte. O carro abaixo optou por um estilo bem único. Já o último sofria de sérias restrições orçamentárias. Bem, mas é a intenção que conta, né?

colcha para carros

carro remendado

Onde Está Wally – Versão Star Wars

Uma salada pop sci-fi com sabor de Star Wars

Essa ilustração reúne em um cenário de Guerra nas Estrelas diversos personagens da franquia, além de convidados especiais, como o trio principal de Star Trek, o 10º Doctor Who e sua Tardis, o Exterminador do Futuro e até mesmo o Batman. Existem diversas outras referências pop, como uma ao filme Um Convidado Bem Trapalhão, do Peter Sellers. Também me chamou atenção um Lego (ou seria um Irmão Brain?), provavelmente por conta do sucesso de Star Wars Lego. Mas tenho certeza que não captei muitas referências por ali.

Clique na imagem abaixo pra ampliar e boa sorte, que a Força esteja com você!

Onde está wally star wars guerra nas estrelas

Ah, e antes que perguntem, não achei o Wally!

Via @giseleramos

UPDATE: Nosso editor Alexandre Salau encontrou através do blog FantasticoCenario o autor da ilustração: Ulises Farinas. Troquei a imagem por uma um pouco maior também, e deu pra achar a turma do Mágico de Oz, o Bart Simpson e a moto do Tron.

H.P. Lovecraft: Ao Mestre com Carinho

Conheça a influência do mestre do terror HP Lovecraft na cultura pop

Howard Phillips Lovecraft (1890-1937) é considerado um dos grandes escritores de terror do século XX e a sua estrutura narrativa fantástica sempre impressionou os leitores com suas histórias doidas e extra-dimensionais, não sendo surpreendente sua influencia na cultura pop de nossa era. Abaixo uma curta lista de algumas homenagens a esse malucão.

 Evil Dead

Nesse clássico absoluto do terror dirigido por Sam Raimi em início de carreira, um grupo de jovens vai passar um período em uma cabana abandonada para se divertirem. Só que eles acabam encontrando um livro de magia negra que invoca forças ocultas que vão matando os personagens um a um. O livro maligno em questão é o Necronomicon, obra ficcional inventada por Lovecraft e figura frequente em sua obra.

evil dead

Iron Maiden

A capa do disco ao vivo “Live After Death” traz uma grande homenagem, levando em conta que os dizeres na lápide de Eddie são passagens do já mencionado Necronomicon.

iron maiden

Reanimator

Nesse outro grande clássico de terror temos um médico doido, ao melhor estilo do Dr. Frankenstein, que em nome da ciência faz bizarras experiências para ressuscitar os mortos. O filme foi baseado no livro Herbert West–Reanimator escrito pelo nosso autor em questão em 1922.

hp lovecraft

Graphic Novel

Com roteiro de Hans Rodionoff/Keith Giffen e arte de Enrique Breccia temos essa história em quadrinhos que mistura realidade e fantasia sobre a vida do Lovecraft. Aqui H.P não é um mero escritor, porém o guardião do livro Necronomicon, e seus contos e romances são relatos dos horrores que ele presenciou em sua vida.

Lovecraft graphic novel

Montanhas da Loucura

Adaptação da obra Nas Montanhas da Loucura do Lovecraft que está sendo defendido com unhas e dentes pelo diretor Guillermo del Toro, mesmo a Universal Pictures tendo na última hora decidido não financiar. Confira um trecho de sua entrevista sobre o filme, que ainda é incerto:

“Não vou desistir. Nas Montanhas da Loucura já me acompanha há 13, 14 anos. Quando penso que se eu não fizer certo o filme ninguém vai fazer, eu insisto nele. Se eu não tivesse feito Hellboy, acho que ninguém faria. Com O Labirinto do Fauno, a mesma coisa. A maneira como eu planejo fazer Montanhas da Loucura é muito peculiar, então eu acho que se eu não insistir, jamais verei essa versão ser feita”

HP Lovecraft

Ghostbuster

Todo mundo se lembra da série animada “The Real Ghostbusters”? O grande Cthulhu já deu as caras por lá. Pra quem não conhece, ele é um dos mais famosos personagens do H.P.

Segundo o escritor, Cthulhu é uma criatura milenar gigantesca e imortal que já existia no planeta bem antes dos humanos. Atualmente ela está adormecida no fundo do oceano, porém se um dia acordar irá trazer mal extremo para a humanidade.

South Park

E não foi apenas no seriado animado dos caça fantasmas que o grande Cthulhu deu as caras. Em South Park, o deus do caos aparece nos episódios 12 e 13 da 14ª temporada onde ele, junto com Eric Cartman, iniciam um plano de destruição e domínio de nosso mundo. Em um momento memorável, Cthulhu mata o Justin Bieber!

Billy and Mandy

No  divertido programa do cartoon “As Terríveis Aventuras de Billy e Mandy” no episódio “Prank Call of Cthulhu” o personagem mais aclamado de H.P.Lovecraf também apareceu. Infelizmente não existe vestígio no youtube desse episódio. Fiquem com uma foto.

HP Lovecraft Cartoon

Metallica

Música do álbum Ride the Lightning, com nome bem sugestivo.

 

Guia do Mochileiro das Galáxias

Essa série de humor de ficção científica que consagrou Douglas Adams teve uma continuação póstuma. O sexto livro , escrito por Eoin Colfer, chama-se “E tem outra coisa…” (And another thing, no original). Em determinado momento, um dos líderes de uma colônia de sobreviventes da Terra percebe que é preciso uma religião para colocar as pessoas em seu lugar, manter a ordem, os impostos, etc. Assim ele começa várias entrevistas de emprego para o cargo de Deus, e a que vemos é exatamente do Sr. Cthulhu. Impedível para fãs da série, do Lovecraft ou por quem já fez alguma entrevista de emprego.

Guia do Mochileiro da Galaxia

Para encerrar, fica uma dica: a editora Martin Claret está lançando uma edição pocket book reunindo quatro contos do mestre: O Chamado de Cthulhu, O Horro de Dunwich, Sussurros na Escuridão e o Assombrador das Trevas. O livro, vendido pelo preço sugerido de R$ 14,90, chama-se O Mito de Cthulhu.

Eles chegaram: Space Invaders!

Versão realista de alienígena do videogame Space Invaders

O artista britânico Tom Carruthers atua na indústria de games, tv e cinema, trabalhando com softwares gráficos e com escultura tradicional. Recomendo uma visita a sua página onde você pode conhecer o ótimo trabalho dele.

Abaixo eu destaquei essa visão realista de Space Invaders, clássico joguinho de invasão espacial. Se eu soubesse naquela época que eles tinham essa cara, acho que o jogo ficaria muito mais tenso!

Space Invaders game art

Conheça a Origem da Verdadeira TARDIS do Doctor Who

Vídeo mostra a história da Police Box – cabines de polícia da Inglaterra

Um especial transmitido em 1993 pela BBC, comemorando os 30 anos do Doctor Who conta a história verdadeira das cabines policiais inglesas, que inspiraram o disfarce da “nave/máquina do tempo” utilizada pelo personagem. Um documentário curto, mas interessante para quem adora a série ou mesmo pra quem nunca ouviu falar, mas se liga em História.

O vídeo está em inglês, sem legendas, mas abaixo eu transcrevi as suas principais informações:

Tudo começo nos anos 1880s, com pequenos postes espalhados nas ruas londrinas, que contavam com uma novíssima invenção: o telefone. Assim, pela primeira vez na história, um policial na rua poderia manter contato com a delegacia. Logo, os postes viraram uma cabine (police box). Dentro havia um kit de primeiros socorros, uma mesa e um livro de ocorrências. O policial (apelidado de “copper”) também aproveitava a cabine para descansar um pouco e tomar o seu chá.

Surgiram variações regionais, como a vermelha de Glasgow que contava com uma lâmpada a gás no topo, acesa por uma espécie de controle remoto, para chamar o policial que fazia a ronda. Na famosa Trafalgar Square, fizeram uma cabine em pedra, com uma lâmpada no topo retirada do navio do Almirante Nelson (o verdadeiro, não o personagem de Viagem ao Fundo do Mar).

Versões posteriores tinham uma portinhola externa com um telefone para ser usado pela população em geral, uma “hot line” ligando à delegacia mais próxima.

A versão real do modelo eternizado pela série Doctor Who era de fato azul, mas não era de madeira como parecia e sim de concreto. Foi lançada em 1929.

Na Segunda Guerra Mundial, elas tiveram um papel importante na proteção da população: suas lâmpadas de alerta foram substituídas por postes com sirenes que avisavam a todos que mais um bombardeio alemão estava para começar.

Nos anos 50, as Blue Police Boxes alcançaram seu auge: só Londres tinha cerca de 700 delas. No início dos anos 60 elas eram uma das visões mais comuns nas ruas londrinas. O que fez com que o Doctor Who escolhesse uma delas como disfarce perfeito para sua TARDIS.

A tecnologia, que propiciou o surgimento das cabines de polícia, também levou ao seu fim: a invenção do rádio portátil que os policiais usam, combinado com os novos e rápidos carros patrulha, tornaram-na dispensável e, em 1969, o governo mandou derrubá-las.

* * *

Na Wikipédia tem um artigo sobre essas cabines de polícia, com mais informações interessantes, como a patente da imagem da cabine policial que pertence a BBC e não a Polícia, e o destino de algumas cabines originais não destruídas.