Links da Semana (05-11/03)

Na semana passada o ECAD resolveu meter os pés pelas mãos e pode ter dado um enorme tiro no próprio pé … que assim seja, confira nos nossos links selecionados da semana.

01) Vermes microscópicos podem ser a chave para imortalidade

02) “Mulher-zumbi” acorda depois de ficar morta por seis dias

03) Asteroide passará perto da Terra em 2013

04) Português do Brasil é a melhor língua, diz ‘The Economist’

05) O abuso do ECAD ao cobrar de blogs pela execução de vídeos (link 1, link 2, link 3)

06) YouTube afirma que Ecad não pode cobrar de blogueiros

07) Comissão do novo Código Penal amplia regras para aborto legal e eutanásia

08) Kara, a impressionante demo técnica da Quantic Dream – vídeo (link 1, link 2)

09) Veja imagens da tempestade solar que atingiu a Terra

10) Produto dispensa a escova de dentes

Fim da Enquete: Qual é a melhor tradução pra “Prequel”?

Afinal, como devemos traduzir “prequel” no Brasil? Prólogo, prelúdio, prequela ou prequência?

Quando um filme continua a ação iniciada em uma obra anterior, é fácil traduzirmos “sequel” para “sequência”. Mas como nos referimos, em bom português, ao filme ou série que se passa cronologicamente em período anterior, como no caso das trilogias de Guerra nas Estrelas?

prologo preludio

Um rápida busca na internet nos vai indicar que a tradução seria prequela. Entretanto, esse vocábulo só existe no português lusitano. Uma simples consulta no site da Academia Brasileira de Letras mostra que essa palavra não existe no vocabulário nacional. E faz sentido, já que não falamos sequela e sim sequência para uma continuação.

A palavra prequência seria uma tentativa de aplicar a lógica, substituindo as duas primeiras da palavra sequência pelo prefixo PRÉ. Mas além de formar uma palavra muito feia, isso não pode ocorrer, já que o SE não é um prefixo. Prova disso, é que novamente o site da ABL mostra que essa palavra não existe.

Ficamos então com prólogo e prelúdio. Qual seria a certa? Bem, segundo algumas fontes (Editora Schoba, dicio1, dicio2, Sinônimos), não só essas palavras seriam sinônimas como também se poderia usar prefácio, preâmbulo, preliminar e até proêmio! Por costume, prefácio e preâmbulo são usados na literatura, assim como prólogo. Este último também é muito usado no teatro. Prelúdio é mais usado na música. Preliminar é mais utilizado no esporte. Mas não são regras, são todos sinônimos. Então, qual seria o certo? Bem, se tanto faz falar SEIS como MEIA DÚZIA, você é que decide qual usar!

Para que todos não fiquem te olhando torto, seria interessante usar a mais utilizada pelas pessoas. Assim, creio que proêmio tá fora. Das 100 pessoas que responderam nossa enquete, o resultado foi esse:

6º lugar – Prequência – 5% – Foram pela falsa lógica. Devem ser aquelas pessoas que num teste de múltipla escolha marcam a resposta mais escalafobética, porque “se é tão estranho assim, deve ser o certo”.

5º lugar – Prólogo – 9% – Essa foi a minha opção em particular. Acredito que é uma palavra que soa melhor, enquanto seu significado está 100% correto. Além disso, TV e cinema estariam, em geral, mas relacionados com teatro do que com a música.

4ºlugar – Prelúdio – 10% – Como esperado, ainda não há um consenso sobre qual palavra devemos usar mais: prelúdio ou prólogo. Acho esta meio pesada, talvez me lembre de lúgubre. Mas seu significado também está correto, então realmente vai ao gosto do freguês.

3° lugar – Prequela – 12% – Interessante como essa opção ficou bem posicionada. Não sei se tivemos alguns portugueses votando ou se isso foi fruto de uma pesquisa bem ligeira no Google/Wikipédia.

2º lugar – Caça-Níquel – 14% – Um grande número de visitantes lembra que “se a rosa tivesse outro nome, ainda assim teria o mesmo perfume”.

1º lugar – Sei lá, não enche! – 50% – E exatamente metade dos visitantes se deram ao trabalho de responder à enquete com essa pérola bem humorada, mostrando como o brasileiro está tããão preocupado com essa questão!

Tsar ou Czar?

Vou direto ao ponto: O monarca soberano da Rússia chamava-se TSAR e não CZAR como vemos sendo usado constantemente hoje em dia. 

Bem, para ser um pouco menos radical, admito que a Academia Brasileira de Letras registra as duas grafias. Entretanto, o Dicionário Antônio Houaiss afirma que a forma preferencial no Brasil deve ser “Tsar”.

Mas como cheguei à conclusão da grafia preferencial, se não sou um filólogo?

Simples, em primeiro lugar verifiquei como se escreve a palavra no alfabeto cirílico original: царь. A primeira letra “ц” pronuncia-se “tz”. A letra “a” tem pronúncia normal e o “p” na verdade é “r”. O mini-b ali no final não possui som.

Finalmente, eliminei qualquer dúvida ao perguntar exaustivamente (ao ponto dele se irritar) a um amigo russo como seria a pronúncia correta. 

Mas, então, de onde vem a grafia Czar?

É uma derivação do termo César, que desde Júlio César passou a ser usado como sinônimo de imperador em diversos idiomas (por exemplo, Kaiser em alemão). A confusão é compreensível, ainda mais se incluirmos o termo latino “imperator”, que é próximo, mas não exatamente igual a imperador. O que não faltam são títulos, cada um com um grau de importância, variação de força e território, e até de quem teria concedido esse poder (os homens, Deus, etc.).

 Antigamente, viamos apenas a grafia “tsar” em textos brasileiros. Mas com o aumento da influência da forma inglesa de grafar nomes próprios, “czar” tem ganhado popularidade a cada ano que passa. 

Tsar, Imperador, Rei… é tudo a mesma coisa?

tsarNão. O termo Tsar é traduzido muitas vezes como Imperador, embora haja quem alegue não existir tradução adequada, como no caso do Xá e do Sultão. Informalmente, o termo também é usado atualmente para designar pessoas com grande concentração de poder. 

De forma resumida, podemos afirmar que os russos e os búlgaros honram com o título Tsar os seus próprios monarcas, os soberanos da antiguidade e os bíblicos. Em contos de fada também aparecem Tsares. O título de rei (korol em russo e kral em búlgaro) é reservado para monarcas ocidentais como o king inglês e o roi francês. Imperadores estrangeiros (alemães, japoneses, brasileiros) são chamados de “imperators” e não “tsares”.

 Os sérvios, croatas e bósnios usam o termo “tsar” para qualquer imperador e “rei” serve para todos os reis, sejam nacionais, estrangeiros, bíblicos, de conto de fadas, etc. Em esloveno e em certos idiomas eslavos, assim como na maioria dos idiomas ocidentais, usa-se palavras diferentes para imperador e para rei, reservando-se “tsar” apenas para os soberanos russos.

29 de Maio

Uma última curiosidade: Em 29 de maio de 2009, fazem 282 anos que Pedro II sagrou-se Tsar da Rússia. Este xará do nosso imperador era neto de Pedro, o Grande.

Fontes: Wiki em inglês, Wiki em português, American Heritage Dictionary, Academia Brasileira de Letras, Wiki em inglês II