Links da Semana (13-19/02)

É carnaval e hoje forneço mais alguns links interessantes (que nada tem a ver com carnaval), confiram a seleção abaixo.

01) Empresas voltam da China para os EUA apostando no ‘made in USA’

02) Crescimento da população não ameaça planeta, consumo sim

03) Nasa cria biocápsula que ameniza efeitos da radiação em astronautas

04) Preços de carros usados despencam

05) Segredo das pessoas populares pode ser a habilidade de “ler mentes”

06) Fãs de Star Wars podem conhecer Tatooine

07) NASA troca missão a Marte por supertelescópio espacial

08) Cientistas criam robô que ‘precisa ir ao banheiro’

09) Ranking dos 400 melhores times do mundo atualizado

10) Sequenciador de Genoma via USB (em inglês)

11) Programa de computador supera QI humano pela primeira vez

Bactérias radioativas vivem abaixo da superfície

Bactérias que vivem no subsolo profundo, sem luz do sol e se alimentam de rochas radioativas tornam cada vez mais difícil definir o que é vida.

Grand Prismatic PoolExtremófilo é o nome dado a organismos que vivem em condições extremas, como no subsolo congelado da Antartida, nas encostas vulcânicas, nos desertos de sal ou no fundo do mar perto de fossas sulfurosas e onde não chega luz solar.

Mas nem isso se compara a estas bactérias recentemente descobertas em escavação de mais de 3 quilômetros de profundidade, onde jamais a luz solar chegou. Mesmo assim elas conseguem sobreviver graças a uma nova fonte de energia, a radioatividade do interior da Terra.

Estas bactérias extremófilas possuem uma biologia que poderia ser considerada até alienígena para nós. No ambiente onde elas vivem a radiação proveniente do decaimento do Urânio quebra as moléculas de água as transformando em peróxido (água oxigenada) que ao se misturar com pirita (o ouro-dos-tolos) libera ions que são aproveitados pelo seu refinado paladar e metabolismo altamente diferenciado. Em resumo, elas vivem sobre o Urânio, bebem água oxigenada e comem rocha.

Mas não se preocupem os que imaginam que seres microscópicos expostos à radiação irão crescer e invadir a superfície, destruindo Nova York (todos os monstros vão para Nova York). Estas pequenas maravilhas da natureza tem um ciclo reprodutivo centenas de milhares de vezes mais lento que suas contrapartes convencionais, dividindo-se a cada 300 anos.

Mesmo asim são seres muito bem adaptados a condições extremas e que podem servir de modelo para pesquisas de exobiologia (sobre possíveis seres vivos em outros planetas).

Fonte: The Daily Galaxy

Atol das Ilhas Bikini se recupera de testes nucleares

BravoC1600c20Meio século após testes na remota região do Pacífico, veja como está a vida submarina e o poder de recuperação da natureza.

A mais de 50 um teste atômico chamado Castle Bravo, com uma bomba de hidrogênio de 15 megatons,  (quase 1000 vezes maior do que a de hiroshima) devastou o Atol das Ilhas Bikini, vaporizando 3 ilhas. A temperatura da água subiu a 55 mil graus e no local ficou uma cratera de 2 Km de diâmetro e 75 metros de profundidade, o topo da nuvem da explosão atingiu 40 Km de altura em apenas 6 minutos.

aitutakiAntes do teste (obviamente) todos os habitantes do local foram relocados para as Ilhas Kili, nas proximidades. No início dos anos 70 o governo dos EUA os levou de volta para o local original mas teve que remove-los novamente porque a radioatividade ainda era alta. Eles foram indenizados em 100 milhões de dólares.

O Atol é parte das Ilhas Marshall, um local remoto no meio do Oceâno Pacífico, com paisagens paradisíacas e destino turístico famoso, hoje a área de Bikini raramente recebe visitantes e deve permanecer assim por um bom tempo.

Na paz da solidão, a natureza mostra sua força

080416-bikini-corals-02080416-bikini-fish-02Recentemente uma expedição de cientistas foi ao que restou do atol para verificar as condições da cratera da explosão. Sem saber o que esperar, ficaram deslumbrados com o grau de recuperação dos recifes de coral que em apenas meio século já cobriram mais de 80% da cratera e sustentam uma rica diversidade, apesar de menor do que antes dos testes nucleares mas mesmo assim surpreendente.

Todo o ecosistema parece estar se recuperando muito bem, o que mostra a resistência e capacidade de recuperação da natureza se for deixada em paz. Os mergulhadores atribuem à pouca movimentação humana na área esta recuperação tão forte.

Por outro lado, em terra firme, os cientistas dizem não ser possível consumir as frutas nativas que continuam altamente contaminadas pela radiação.

Fonte: LiveScience, Nuclear Weapon Archive